Logo SEC SJ

26 de março de 2021

Campanha Salve a Energia pelo Futuro do Brasil defende Eletrobras pública

Foi lançada a campanha SALVE A ENERGIA PELO FUTURO DO BRASIL no dia 18 de março. A iniciativa tem como objetivo principal demonstrar a importância da Eletrobras Pública para a vida dos brasileiros e brasileiras. Juntamente com a campanha, foi aberto um abaixo-assinado para fortalecer a campanha contra a privatização da Eletrobras. Para assinar, basta acessar o site www.salveaenergia.com.br. No site, constam também informações importantes sobre o setor elétrico brasileiro e a Eletrobras.

 

Privatização da Eletrobras compromete futuro energético do país

 

“Diante desse processo anunciado (pelo governo de Jair Bolsonaro) de entrega das empresas estatais brasileiras, como a Eletrobras, a Petrobras, os bancos públicos, os Correios, a água e o saneamento, as consequências serão inevitáveis: o aumento de tarifas e dificuldade de acesso a bens e serviços públicos pela população”. O alerta foi ressaltado pelo deputado federal Leonardo Monteiro (PT/MG), durante lançamento da campanha “Salve a Energia – pelo futuro do Brasil”. O evento virtual foi organizado pelo Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) e reuniu parlamentares e especialistas do setor elétrico, na noite do dia 18 de março.
A mobilização pretende alertar a sociedade e parlamentares sobre os prejuízos da privatização do setor elétrico com a Medida Provisória 1031/2021, conhecida como “MP do Apagão”. Enviada pelo Planalto ao Congresso, ela cria condições para a privatização da Eletrobras, estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia e que responde por 30% da energia gerada no País.
É a terceira tentativa do governo de privatizar a estatal desde o anúncio da inclusão da Eletrobras no Plano Nacional de Desestatização (PND), em 2017, pelo governo de Michel Temer. Na ocasião, a resistência dos eletricitários contra os ataques ocorreu a partir da campanha “Energia Não é Mercadoria”, com a CNE à frente.

 

Brasil perde “vantagens”

 

Segundo o engenheiro elétrico Ronaldo Bicalho, doutor em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e diretor do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Enérgetico (Ilumina), a agenda do setor elétrico mundial é a da transição da matriz energética. “Deixando os combustíveis fósseis e caminhando para energias renováveis, em especial, pra energia eólica e solar”.
Para ele, o Brasil, através da Eletrobras, detém grandes vantagens nesse cenário. “Na estocagem de energia, através de nossos reservatórios. Nas grandes integrações espaciais de sistemas, através do nossos sistemas de transmissões. E em centrais extremamente flexíveis, que são as nossas centrais hidrelétricas. Temos recursos importantes e estratégicos e podemos ter um custo muito menor (de geração de energia) que os outros países”, afirmou o senador Humberto Costa (PT).
Em sua participação, o governado do Piauí, Wellington Dias (PT) destacou o papel essencial da Eletrobras como provedora da distribuição da energia a toda a população “O Brasil trabalha setores estratégicos com o controle nacional. É o caso do setor de energia, através da Eletrobras, da Chesf e de outras. Até para que o país tenha não só um controle estratégico, mas um suporte de conhecimento sobre preços e, a partir daí, garantir as condições de uma politica nacional. Por essa razão, salve a energia. Vamos proteger a Eletrobras”.

 

Sem justificativas

 

“A Eletrobras é uma empresa caracterizada por sua competência e excelência técnica, capaz de inovar e produzir energia sustentável.
Uma empresa lucrativa, que tem condições de investir e ajudar o desenvolvimento do nosso país”.
O senador Jean-Paul Prates, do PT/RN, lembrou que a Eletrobras não é deficitária e gerou R$ 24 bilhões de lucro nos últimos três anos. Porém, foi avaliada para ser vendida, pelo governo Bolsonaro, por um lance mínimo de R$ 16 bilhões. Um negócio fantástico. Infelizmente, não para os brasileiros”.

<< Anterior:

Filiados

CUT

CUT

Fecesc

Fecesc

Contracs

Contracs

Dieese

Dieese

favoritos

News